domingo, 7 de junho de 2015

Perspectivas 1 - Endowment Funds

Hoje acabei lendo um texto no facebook por acaso, que questionava "por que os milionários brasileiros não doam suas fortunas às universidades?". A resposta pra mim veio em dois toques, que é porque sempre tem aquele cara militante de esquerda pra gritar que "doação de grandes empresas é privatização da universidade". Mas o meu texto não é sobre isso.

O caso é que no meio desse texto começaram a falar nuns tais de "endowment funds". Eu, que nunca tinha ouvido falar nisso, fui atrás. E de fato eu nunca tinha imaginado que alguém já tinha aplicado a minha própria filosofia de dinheiro à projetos sociais.

A minha ideia de finanças é simples: independência financeira é quando o cara tem grana suficientemente grande de forma que o rendimento dessa grana pague as suas contas e ainda assim consiga ganho acima da inflação.

No meu caso, que tenho um estilo de vida econômico e vivo tranquilamente com 2mil no mês, se eu tivesse 5 milhões na poupança, por exemplo, poderia ficar mais que tranquilo e sem precisar trabalhar, já que 5 milhões na poupança rendem 25mil no mês, e tirando os meus custos de 2mil, os outros 23mil retornariam pra aplicação e serviriam pra correção monetária. Claro que eu investiria isso melhor, até porque no longo prazo esses 5mi sofreriam defasagem de valor real, já que a poupança atualmente não corrige a inflação direito.

Mas o fato importante é que eu não sabia que usavam essa lógica pra projetos filantrópicos ou sociais. E pior que todas as universidades dos EUA tem um endowment fund. Harvard mesmo, tem 36BILHÕES!

Daí fui atrás pra ver o que tinha no Brasil nesse sentido. Descobri que, pra variar, a gente não tem quase nada e o governo não incentiva. Em algumas reportagens se vê que no eixo Rio/SP algumas instituições estavam instituindo algum fundo, mas acho que deve levar muito tempo ainda até que essa prática se espalhe pro resto do país. E o que fiquei pensando é que, se um dia eu desenvolver algum projeto de caridade, como pretendo, dava pra usar desse tipo de método.

Enfim, só pra constar que esse é um método interessante.
Paztejamos

Perspectivas

O nome desse post se refere a uma antiga série de posts no antigo proibidaentrada.blogspot.com, que eu pretendo retomar agora, de maneira um pouco mais realista. O que eu chamava de 'perspectivas' na época eram coisas que eu acharia o máximo que fossem realizadas, coisas de caráter social, e que eu tinha a ingênua impressão de que seria fácil e possível fazer, que praticamente 'aconteceria sozinho' dadas as condições adequadas.

[deixo aqui o link pra elas. Os comentários são relevantes também. http://proibidaentrada.blogspot.com.br/search/label/Perspectivas]

O que aconteceu no meio do caminho, isso aos meus 20 anos, foi que eu me dei conta que era um cara que não tinha condições de sustentar nem a mim mesmo, nem pra pagar o meu vale transporte, quanto mais pra fazer qualquer tipo de obra social que eu pudesse imaginar. Pior ainda, me sentia culpado toda vez que tomava alguma iniciativa pra fazer algum trabalho desse gênero, já que sabia que ia fazer a obra sustentado pela mãe, e me sentia como se estivesse "fazendo uma gentileza com o chapéu dos outros". Eu era um cara cheio de perspectiva para os outros e vazio de perspectivas pra mim.

Dado que o sentimento de frustração era infinito, tive que dar um pause em qualquer vislumbre de idealismo e estruturar minha vida. Eu tinha que "virar homem", dar um jeito de pagar minhas contas, tocar a vida, "sair de baixo da barra da saia da mãe", essas coisas. E foi o que eu fiz. Agora que voltei a blogar, e voltei a colocar mais de mim na internet pra posteridade (não como no facebook, em que as coisas se perdem na linha do tempo), resolvi que era hora de rever aquelas antigas ideias, aproveitar o que é possível e de repente no futuro dar início a alguma coisa, não sei exatamente o que. Eu ainda vivo numa matriz absurda de ideias de futuro divergentes entre si, super otimista e tal. a diferença agora é que agora eu tenho perspectivas pra mim, então eu posso pensar em começar eventualmente a "fazer gentilezas com meu próprio chapéu".

Enfim. Esse é o post "raiz" onde vão ficar listados os outros posts. Vai ficar ali junto com os outros "agregados" de conteúdo.


Paztejamos

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Alienação Fiduciária

Alienação Fiduciária é um nome feio pra uma coisa extremamente conhecida. Todo mundo sabe como acontecem os financiamentos de automóveis: faz-se o contrato, paga-se as prestações e espera-se até que seja contemplado. Enquanto estou pagando as prestações e não fui contemplado, eu não tenho nem a propriedade nem a posse do veículo. Depois de contemplado eu passo a ter a posse, mas só vou ter efetivamente a propriedade quando terminar de pagar as prestações do financiamento.

E onde entra a alienação fiduciária nessa história? Todos sabemos que, se deixarmos de pagar as prestações, a concessionária pode solicitar que o carro seja tirado da gente. Pois bem, o carro então é garantia de que vamos pagar tudo, e está no regime de Alienação Fiduciária.

Em termos práticos, sempre que eu não tenho a propriedade de algo dado em garantia, é porque é Alienação Fiduciária. Até porque é isso que diz o nome: Alienar significa se desfazer, tirar pra fora, não ter mais a ver com aquilo. Fiduciário deriva de Fidelis, que quer dizer "fidelidade", "de confiança". Portanto, na alienação fiduciária, eu dou meu bem em garantia para o credor do negócio até pagar tudo que devo, e tomo de volta assim que pagar tudo.

Importante que até pouco tempo atrás, se, por exemplo, a pessoa passasse adiante o carro que tinha dado em garantia - coisa bem comum de se ver em anuncios de jornal - ela era considerada um "infiel depositário" e ia presa. Hoje em dia ela até é considerada "infiel depositário", mas não vai mais presa. A única prisão civíl - que não tem julgamento, vai preso até resolver o problema - atualmente é por pensão alimentícia. Essa é uma possível questão pega ratão nas provas.

Paztejamos

Penhor

Eu não conheci ninguém até hoje que tenha dado algo em Penhor. Mas já vi filmes de pessoas empenhando ou penhorando seus bens para pagar alguma coisa mais cara.

Nos filmes em que isso aparece, em geral, são pessoas ricas que ficam pobres e vão até o banco dar suas jóias em penhor para tirar algum dinheiro. Por exemplo, se a jóia vale R$1000, a pessoa pega R$900 e deixa a jóia no banco. Se ela não trazer o dinheiro de volta no prazo estipulado (por exemplo 1 mês), a jóia é leiloada pra recuperar o dinheiro.

Claro que nesse tipo de filme o objetivo é fazer uma "venda", conseguir o dinheiro em troca da jóia. Mas na teoria, o objetivo do Penhor é pegar a coisa dada em garantia de volta assim que arrumar o dinheiro.

No Brasil o Penhor comum é feito exclusivamente pela Caixa Econômica Federal - CEF, ou seja, a Caixa tem o monopólio do Penhor.

Em situações de penhor rural, mercantil, industrial ou de veículos, o devedor pode ficar com a coisa empenhada. Por exemplo, se eu der em garantia 20 cabeças de gado, eu não vou levar as 20 cabeças lá na Caixa pra eles guardarem enquanto eu fico com o dinheiro.

Um detalhe importante: se o credor perder ou estragar a coisa penhorada, o credor tem que pagar indenização para o devedor.

Paztejamos

Hipoteca

Hipoteca é um tipo de Garantia Real em que um bem imóvel é dado em garantia. Além dos bens imóveis, podem ser dados em hipoteca Navios, Aviões, Estradas de Ferro, Minas e Pedreiras (apesar de estradas de ferro, minas e pedreiras serem imóveis, é bom citar porque parece algo inusitado). A Hipoteca tem que ser registrada no Cartório de Registro de Imóveis onde o imóvel está registrado.

Na hipoteca o devedor continua com a propriedade do bem dado em garantia. Já a posse pode variar: o dono de um imóvel dado em hipoteca pode, por exemplo, vender seu imóvel. Porém, o comprador deve estar ciente que, caso a dívida não seja paga, o imóvel será leiloado. Caso o comprador não esteja ciente, pode entrar na justiça (e vai ganhar na certa).

Paztejamos

Garantias Reais

Garantias Reais são aquelas que envolvem uma coisa física. É como se eu dissesse "fechamos negócio e se eu não pagar pode ficar com meu carro", por exemplo.

Essas garantias são muito conhecidas pelos seus nome, mas ninguém sabe direito como funciona e inclusive existem mitos sobre o funcionamento delas.

São divididas em 3 tipos:
Pode haver na prova questões relativas a propriedade e posse do bem em cada um dos tipos de garantia.
Mas o que é Posse e Propriedade?? Posse é ter o bem em mãos, pra poder desfrutar dele na hora, mesmo que não seja efetivamente teu. Já Propriedade é ser o dono legal do bem, mesmo que não possa desfrutar dele no momento (no caso de estar alugado, por exemplo).

Para resolver isso, é util usarmos da seguinte tabela:

Propriedade | Posse
Sim             | Sim  -------- Hipoteca ou Penhor
Sim             | Não -------- Hipoteca ou Penhor
Não             | Sim  -------- Alienação Fiduciária
Não             | Não -------- Alienação Fiduciária

Outro ponto importante é o seguinte: um bem dado em garantia nunca é tomado pelo credor. O credor solicita que a justiça tome-o e leve-o a leilão para pagar a dívida. Se a dívida é de R$30.000, por exemplo, e o bem foi leiloado a R$45.000, os R$15.000 que sobraram são do devedor.

Paztejamos

terça-feira, 2 de junho de 2015

"enquanto vocês tão indo eu já to voltando..."

Pra mim essa frase representa o blablá sobre a propaganda do boticário. Ninguém ligaria pra uma propaganda de perfume 10 ou, sei lá, 20 anos atrás. E ninguém ligava pra letra do Lulu Santos dizendo "Consideramos justa toda forma de amor".

Só que a coisa foi se recrudescendo, e foram criando uma história de 'movimento', de 'luta', de 'opressão', de 'direitos-sociais', e junto com isso e no mesmo fluxo, e como se estivessem se defendendo, foi se formando essa coisa de 'anti-movimento', 'anti-luta', 'anti-opressão', e os nervos se afloraram, e de repente eram os homofóbicos, fundamentalistas, vilões, contra os gays e trans, LGBT, os heróis, e agora qualquer peidinho que alguém dá todo mundo grita e esperneia e protesta e faz e acontece.

E no meio de tudo isso tem mercado, e consumidores, e gente 'na moda', dizendo coisas que todo mundo quer ouvir, e se promovendo nisso, e ganhando 'espaços' e mídias, porque é bonito - "eu quero estar do lado dos heróis". E é claro que o Boticário, que é uma empresa, e quer dar lucro, e quer ter boa reputação, e quer vender perfume, não vai remar contra a maré, muito pelo contrário! eles vão é cutucar os ânimos, porque eles sabem que isso dá ibope e publicidade - "Falem mal, mas falem de mim!".

E os crentes, ah, os crentes - eu falo com conhecimento de causa, porque sou um deles - pelamor! "massa de manobra" é um termo bem adequado. Aliás, não só nós, mas também os outros. Eu mesmo aqui escrevendo esse texto. As pessoas se comportam de maneira muito previsível, são maleáveis, não sabem engolir o choro, e é muito fácil atingir meia dúzia de ativistas aqui e ali e fazer soar seus megafones da internet. Mais efetivo teria sido não mencionar, não comentar, não polemizar. Só silenciar.

E no fim até parece que alguém sai ganhando, como se algum direito fosse conquistado ou protegido, ou alguma lei fosse aprovada ou alguma revolução efetivada. Aqui, só tem um que sai ganhando: o boticário. Porque enquanto nós estamos indo, eles já estão voltando.

Paztejamos

domingo, 31 de maio de 2015

Sobre o Mundo

O mundo é um lugar redondo por onde as pessoas se distribuem. As pessoas em geral, são o que fazem o mundo diferente de lugar pra lugar. Quero dizer, eu, Jean, gostaria muito de morar no Canadá. Não sei por que, eu tenho uma admiração por esse lugar, é bonito, frio,.. é agradável me imaginar morando lá. Mas o que faz o Canadá ser melhor do que o Brasil são as pessoas. Imagina por exemplo se, por algum evento místico a população do Brasil e a do Canadá trocassem de lugar, é bem capaz de se crer que eles fariam um ótimo serviço aqui, tanto quanto fazem lá, e, em contrapartida, é bem razoável crer que os Brasileiros (os que não morressem de frio) construíssem uma civilização tão porca lá quanto nós temos aqui. E é bem razoável que, nessas condições, eu - Canadense - estivesse agora sonhando em ir morar no Brasil.

E pra mim isso tudo só se dá por um motivo: educação.

Sexta feira agora deu um Globo Repórter sobre a Nova Zelândia. O país é um composto de duas ilhas no lado da Austrália - ok, todo mundo sabe. O caso é que me chamou atenção uma coisa sobre o que ao longo do programa foi repetida várias vezes: que "voluntários" fizeram X, "voluntários" fizeram Y, "voluntários" fizeram Z. As trilhas de Mountain Bike? Voluntários. O trabalho de preservação de pinguins? Voluntários. A restauração de uma floresta inteira? Voluntários. Ao que me parece, apesar de que eu não tenho muita amostra pra poder tirar conclusões, mas arriscando o palpite, quando um país é educado ao longo de pelo menos uma geração, o que se vê é que as pessoas passam a enxergar as coisas de uma maneira mais ampla, concebendo um quadro geral, o contexto todo, e por causa disso, começam a destinar suas vidas a algo maior do que a si mesmos, "construindo" uma sociedade. "Construindo", é a palavra. Depois da reportagem, tive vontade de ir morar na Nova Zelândia, tanto quanto no Canadá. Aliás, quero morar em qualquer lugar, contanto que eu more num lugar onde as pessoas querem contribuir pro coletivo.

E é engraçado como as pessoas, quanto menos educadas, mais ligadas à terra, como se o lugar onde alguém nasceu dissesse alguma coisa sobre quem ele é. "Eu sou gaúcho, então tenho que comer carne". "Eu sou brasileiro, gosto de samba". Sério?? Eu que só observo, e ando num momento reflexivo, constatei é que eu sou cercado por pessoas incríveis, que a todo momento fazem coisas incríveis. Um cria um site e vai estudar nos EUA; outro é um ótimo empregado e vai morar na Irlanda; tem aquele que preferiu formar uma bela família e está no seu terceiro filho; e tem o que é gênio do design e formou o próprio coletivo; e aquela que largou tudo pra abrir seu próprio negócio; sem falar no cara que viaja o Brasil por causa de sua empresa, o cara que foi fazer mestrado na Alemanha, ou o que tem uma carreira acadêmica brilhante na Física Experimental. Mas nessas pessoas todas, o que eu tenho visto é um desprendimento incrível do lugar onde vivem, porque são capazes de mudar de lugar ou de mudar o lugar. Porque aparentemente o lugar não importa, e sim as pessoas.

E isso me coloca no meu ponto inicial. São como são porque são educados.

Eu, nisso, tenho então, duas opções de vida. 1) migrar; 2) transformar.

Eu tenho a vontade, e ela já foi expressa em outros momentos, e inclusive em outros blogs, de fazer alguma coisa pelo coletivo, pelo social, pelas pessoas que precisam. Mas eu não rejeito a ideia de que, bom, um dia quero ter filhos e quero que eles sejam criados da melhor forma possível com a melhor educação possível. Por isso eu me vejo no Canadá. Mas por outro lado, me parece que lá já tem gente que chega fazendo o bem comum. Parece que aqui existe material farto pra construir o que quer que seja. Parece que aqui as pessoas ainda precisam de ajuda, ainda precisam ser educadas. E, por Deus, por algum motivo Ele me fez inteligente. Por mais que eu queira fugir, parece que aqui é o lugar onde eu deveria estar o tempo todo, pra construir, pra melhorar.

Talvez algum dia eu imigre. Talvez algum dia inclusive eu faça uma viagem, fique um ano ou dois e volte. E talvez eu volte de novo pra lá. Mas o que eu não quero é ser mais uma pessoa. Eu quero deixar a minha marca nesse mundo. Pode ser uma empresa, um coletivo, um grupo de apoio, um teorema, o que quer que seja. Mas alguma filosofia tem que sair da minha cabeça. E é por isso que eu tenho que deixar essa zona de conforto e encarar a realidade. E a realidade é onde eu não estou. Porque onde eu estou as coisas simplesmente acontecem, sem nenhum esforço. As horas, e os dias e os anos passam diante de mim e eu não sinto nada. E nisso eu existo sem ser, pelo menos sem ser plenamente. Eu preciso de uma dose de mim em que eu possa dizer "eu estive" ou "eu fiz", e depois então eu posso ir embora satisfeito desse mundo. Porque o mundo é o meu lugar, não importa onde eu nasci ou onde eu morei. O mundo é o lugar onde as coisas acontecem, e eu quero passar por aqui tendo feito algo acontecer. Onde não importa, contanto que seja no mundo.

Paztejamos

Fiança Bancária

Fiança Bancária é quando um banco é o fiador. O banco assume essa obrigação sempre por escrito - através de uma carta de fiança - e ela pode ser total ou parcial, ou seja, pode cobrir toda ou apenas uma parcela da dívida. Outro destaque é que na Fiança Bancária há benefício de ordem, portanto o credor deve cobrar primeiro pro devedor e depois sim para o banco.


As entidades que podem fazer Fiança Bancária são:
  • instituições financeiras bancárias (ou seja, que captam depósito a vista);
  • bancos de investimento;
  • bancos de desenvolvimento;
  • sociedades de crédito imobiliário;
  • companhias hipotecárias;
  • agências de fomento.
[Existem algumas proibições da Fiança Bancária, depois eu especifico elas.]

Dependendo da situação, existem tipos de Fiança Bancária. São eles:
  • Bid Bond;
  • Performance Bond;
  • Advance Payment Bond;
  • Refundment Bond.
Esse é um assunto difícil de achar. Eu juro que um dia ainda vou dar uma boa estudada nisso aqui pra poder esmiuçar as definições direitinho e 'permitir' que esse conhecimento esteja disponível pra quem quiser.

Paztejamos.

Fiança

Quem já passou pela experiência de alugar um imóvel sabe na prática o que a Fiança significa. As imobiliárias ou o proprietário do imóvel exigem um fiador no contrato de aluguel para que, caso o aluguel não seja pago, eles possam cobrar o aluguel aos fiadores.

Fiança é um tipo de Garantia Fidejussória exclusiva para contratos. Diz-se que ela é acessória e subsidiária porque goza do benefício de ordem. O que isso quer dizer? O benefício de ordem é aquilo que determina que o(s) fiador(es) só deve(m) pagar pelo contrato caso o devedor não consiga saldar sua dívida. Por isso ela é acessória e subsidiária: porque não é necessária para o contrato, mas ajuda a garantir o cumprimento do mesmo.

Além do benefício de ordem a fiança ainda gosa de outros 'benefícios':
  • O fiador pode se comprometer com apenas uma parte da dívida - chamada fiança limitada;
  • Os fiadores podem dividir as partes com que se comprometem (por exemplo, eu me comprometo com 40% e o Luiz com 60%). Essa é o chamado "benefício de divisão";
  • Os fiadores podem ter outros fiadores, chamados Sub-fiadores (também conhecido como co-fiador);
  • Os fiadores podem abrir mão do benefício de ordem, caracterizando uma fiança solidária;

Se houver mais de um fiador e eles não combinarem uma divisão específica da fiança para cada um, os fiadores são 'solidários entre si', podendo qualquer um pagar pelo contrato, lembrando que sempre há o 'direito de regresso' ou 'benefício de subrogação', ou seja, depois de um dos fiadores pagar pelo valor do contrato, ele pode entrar na justiça para reaver esse dinheiro dos seus fiadores solidários, assim como do devedor original.

Por fim, a fiança, como é feita exclusivamente em contratos, exige que esteja escrita numa cláusula à parte, só pra ela. Ou seja, não pode estar 'escondidinha lá no meio do texto. Tem que constar num trecho específico pra tratar sobre ela.

Por favor não confunda essa fiança com aquele pagamento que se faz para que alguém saia da cadeia (que também se chama fiança). Não tem nada a ver.

Paztejamos

Aval

Aval é uma forma de garantia dita "fidejussória", ou seja, "de confiança". É feita apenas em Títulos de Crédito (nunca em contratos).

O aval nada mais é do que uma assinatura do Avalista (a pessoa que está dando o aval) no Título de Crédito. Quando a pessoa assina, significa que ela está dando suporte, apoio para o emissor do Título. É como se ela estivesse dizendo "se ele não pagar pode vir cobrar pra mim". Inclusive mais de uma pessoa pode ser avalista.

É importante dizer que, para que uma pessoa casada seja Avalista, é necessário que seu conjuge aceite - conforme o novo Código Civil de 2003. Isso se chama Outorga Conjugal e se divide em duas:
  • Outorga Marital: quando o marido permite que a esposa seja avalista;
  • Outorga Uxória: quando a esposa permite que o marido seja avalista.
Além disso, o aval tem uma característica muito 'sacana': nele não existe "benefício de ordem". Ou seja, quando o Título de Crédito vencer, o dono do Título pode diretamente cobrar para o emissor, ou pode cobrar direto para qualquer um dos avalistas (sem passar pelo emissor). Em outras palavras: vamos supor que eu passe um Título para você, tendo meu irmão como avalista. Quando o título vencer você pode ir atrás do meu irmão cobrar dele, em vez de vir falar comigo. Nesse caso você cobrou 'fora de ordem' (a ordem seria primeiro cobrar de mim, e caso eu não pagasse, cobrava do meu irmão), o que é válido, já que o aval não tem "benefício de ordem".

Por causa do não benefício de ordem o Aval também pode ser dito como uma garantia "solidária" [em contraste à fiança, que é apenas subsidiária], além de "independente e autônoma", haja vista que o avalista adquire uma potencial dívida que não depende do não pagamento do devedor.

Existem dois tipos de Aval:
  • Aval em Preto;
  • Aval em Branco.
No Aval em Branco, o avalista simplesmente assina o título. Quando ele faz isso, subentende-se que o avalista é avalista do emitente (a pessoa que emite o título). Já no Aval em Preto - ou Aval Completo - o avalista escreve algo do tipo "sou avalista do José", por exemplo, explicitando que o nome da pessoa de quem ele é avalista. Essa diferença existe porque, apesar de o título ser emitido e entregue para o credor (aquele a quem se deve), o credor pode "passar o título adiante" para pagar alguma dívida sua.

Então, por exemplo, o Almir emite um título para o Carlos tendo o Bruno como avalista. O Carlos, por sua vez, tem uma dívida com o Daniel. O Carlos, para pagar sua dívida, endossa o título para o Daniel. Mas o Daniel fica desconfiado que esse título não vale nada e pede que o Carlos arrume um avalista. O Carlos então procura o Eduardo, que avalisa o título. Para que o Eduardo possa ser avalista do Carlos, ele não pode simplesmente escrever sua assinatura no título, porque se o fizer, estará se colocando como segundo avalista do Almir. Portanto, para resolver esse empasse, ele escreve no título algo como "eu, Eduardo, sou avalista do Carlos". Nessa história o Bruno fez um Aval em branco e o Eduardo fez um aval em preto.

Outro ponto passível de perguntas de prova é o Aval Parcial. O Aval Parcial é proibido pelo Código Civil, mas algumas leis internacionais "mais fortes" que o código civil faz valer o Aval Parcial para apenas 4 tipos de títulos. São eles:
  • Letras de Câmbio;
  • Nota Promissória;
  • Cheque;
  • Duplicata.
Paztejamos

Garantias Fidejussórias

Fidejussória é uma palavra que deriva de Fidelis, do Latim, "Confiança". Assim, Garantias Fidejussórias são garantias em que uma pessoa de fora se compromete com o acerto. Essas garantias também são conhecidas como "Pessoais".

É como se alguém dissesse, durante o acerto, "pode aceitar o negócio que se ele não pagar eu pago".

Podem ser divididas em dois tipos:
Sendo a Fiança passível de uma outra divisão mais específica, chamada Fiança Bancária.

Paztejamos

sábado, 30 de maio de 2015

Fundo Garantidor de Crédito

Fundo Garantidor de Crédito FGC, é um fundo criado com o objetivo de garantir que, se um banco quebrar, os correntistas daquele banco não vão ficar sem dinheiro. Esse fundo não foi criado pelo governo, mas pelos próprios bancos e outras instituições financeiras.

O Fundo Garantidor de Crédito garante até R$250.000,00 por CPF do dinheiro depositado em:
  • depósitos a vista ou sacáveis mediante aviso prévio;
  • depósitos em contas-correntes de depósito para investimento (? - não sei ques contas são essas);
  • depósitos a prazo (CDB/RDB);
  • depósitos mantidos em contas não movimentáveis por cheques destinadas ao registro e controle do fluxo de recursos referentes à prestação de serviços de pagamento de salários, vencimentos, aposentadorias, pensões e similares (? - não sei ques contas são essas);
  • letras de câmbio, imobiliárias, hipotecárias e de crédito imobiliário (letras em geral, eu diria);
Outra coisa importante é que o FGC não garante o dinheiro de entidades que compartilham a totalidade dos seus fundos em cotas, como cooperativas ou fundos de investimento. Isso porque, se essas instituições quebrarem, elas não apresentam risco para todo o SFN, já que não são atreladas umas às outras. Fique atento para não confundir Fundos de Investimento com Bancos de Investimento, porque os bancos sim são garantidos pelo FGC.
    Mas a principal confusão que o FGC cria em provas tem a ver com contas conjuntas. Isso porque as contas conjuntas tem um sistema muito chato para divisão do dinheiro garantido.[eu não sei direito como faz essa divisão :S preciso estudar isso :S]

    Paztejamos

    Garantias do Sistema Financeiro Nacional

    Garantia é algo que se dá quando alguém não confia muito na pessoa com quem está combinando algo. Por exemplo, se alguém que eu não conheço me pedir 1000 reais, provavelmente eu vou ficar desconfiado de que, caso eu empreste, não receberei de volta esse dinheiro. Para isso alguém me dá "algo" em garantia.

    Essa garantia pode ser uma palavra de confiança de alguém em quem eu confie (garantia fidejussória) ou uma coisa de valor (garantia real).

    Dessa forma, as garantias do Sistema Financeiro Nacional são divididas nestas duas classes:
    Além disso, existe ainda um fundo privado criado para assegurar o dinheiro dos correntistas no caso da quebra de um banco, que se chama Fundo Garantidor de Crédito - FGC.

    Paztejamos

    Conhecimentos Bancários

    Bom, estou migrando o conteúdo, então uma parte do que for clicado aqui ainda vai remeter ao blog conhecimentosbancarios.blogspot.com. Porém, no final, deve estar tudo nesse blog. A única seção que vou migrar agora vai ser o de Garantias. SEMPRE que estudar aqui, desconfie desse material, porque, assim como você, eu sou só um estudante que resolveu escrever, com o objetivo de facilitar a vida de todo mundo.

    Os assuntos principais de Conhecimentos Bancários estão nas seguintes divisões:
     - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional;
     - Produtos e Serviços Financeiros;
     - Garantias do Sistema Financeiro Nacional;
     - Mercado de Capitais e Câmbio;
     - Lavagem de Dinheiro.

    Paztejamos

    Filosofia

    Eu tenho uma série de reflexões, convicções, avaliações, ponderações, enfim, pensamentos sobre o mundo, a realidade e tudo mais, e estava carente de um lugar onde pudesse botar as minhas ideias 'no papel'. Meu antigo blog, entradaproibida.blogspot.com, permanece existindo (apesar das teias), mas talvez boa parte do que escrevi lá já tenha se defasado e não corresponda mais ao que eu penso atualmente. Além disso, preciso compilar o "conteúdo da minha vida" em um só lugar, e ter vários blogs me incomoda. É certo que aquele antigo ambiente vai ser revisitado eventualmente, até porque de vez em quando leio coisas lá que me fazem refletir, mas aquele não é bem o espaço que pretendo manter e, um dia, talvez eu o descarte finalmente, depois de salvar o que eu achar importante.

    Enquanto isso não acontece, quero manter alguns ensaios aqui. Nada muito relativo a fatos atuais ou eventos do cotidiano, porque nisso parece que há muito ressentimento e as pessoas acabam por se colocar de um lado ou de outro e brigando. Pretendo escrever sobre viagens mais profundas, em que não há com o que ressentir, e onde as discussões se dão sobre a verdade ou a falsidade, sobre o certo e o errado. É certo que não há como fugir dos nervosos, que acham bandeiras em tudo, mas quero escrever como um observador/meditador, e não como um doutrinador/apologeta - posição em que mais normalmente me acham.

    Não gosto de discussões muito difíceis, e nem de linguagem difícil, e mesmo que o meu ego me tente a escrever complicado, especialmente nesses assuntos, vou tentar ao máximo escrever fácil.

    Além disso, quero manter alguns materiais e livros que pretendo ler no futuro, por curiosidade ou por ter um interesse específico neles.





    Paztejamos.

    Materiais Diversos de Filosofia

    Estou precisando reunir em um só lugar todo o material de filosofia que tem me parecido útil pela internet e, como meu blog serve justamente pra me ajudar a estudar, resolvi que vai ser aqui o lugar.

    Filosofia em Geral:


    Do curso Introduction of Philosophy do Coursera:


    Sobre o Poder:

    Livros a ler:

    • Da Guerra, de Carl von Clausewitz.
    • Leviatã, do Thomas Hobbes.
    • História da Sexualidade (os 3) do Foucault.
    • Vigiar e Punir, do Foucault também.
    • O Contrato Social, do Rousseau.

    Paztejamos

    quarta-feira, 27 de maio de 2015

    Risco no Seguro

    Como eu disse antes, o Risco que o seguro cobre/garante, é um risco específico, com baixa frequência e de dano alto. Risco, genericamente, é o evento cuja ocorrência causa Dano - e nesse contexto o dano é econômico/financeiro.

    Algumas outras características do Risco são exigidas ainda para que seja possível fazer seguro de um Risco, a saber:

    1. Ser Futuro: Não pode ter ocorrido ainda (na prática existe seguro a posteriori, mas a finalidade não é de garantir o risco, e sim meramente publicitária - caso não saquem, comentem que dou um exemplo nos comentários).
    2. Ser Possível: Tem que existir a possibilidade de ocorrer (sério, não posso fazer um seguro de incêndio de uma piscina, já que ninguém vai comprar - e a viabilidade econômica é um quesito para o seguro).
    3. Ser Incerto: Não se sabe se vai acontecer ou não (tem que ser randômico, aleatório).
    4. Ser Mensurável: Tem que ser possível saber "quanto custa" pra segurar. Por exemplo, assumindo que o evento seja impossível, não dá pra mensurar seu valor.
    5. Ser Independente das Partes: Parece óbvio. Imagine, por exemplo, um seguro de incêndio para uma caixa de charutos. O segurado certamente vai fumá-los, então o "incêndio dos charutos" depende de uma das partes, logo, fazer um seguro disso é burrice. Por isso a exigência de independência.
    6. Ser Não-Catastrófico: Essa exigência pra mim é menos óbvia. Digamos que a chance de incêndios é de 10% numa determinada vizinhança, mas deu uma tempestade e caiu raios que incendiaram mais da metade da tal vizinhança. Nesse caso a seguradora não garante nada, porque o evento é uma calamidade, e não está muito distante da possibilidade de cálculo da seguradora. É por isso que arrastões, terremotos, enchentes, furacões, guerras, epidemias e coisas desse tipo não são garantidas, porque é impossível mensurar (item 4, lembra?) tais eventos.
    7. Ser Similar (Homogêneo): É muito parecido com o item 6. Podemos dizer que é "a outra face do item 6. Se um evento é Catastrófico, então ele não é Homogêneo. Ser homogêneo é estar "na média" dos eventos ocorridos anteriormente, não extrapolando a previsão que se podia fazer anteriormente. É estar fora da região crítica numa curva normal (ver imagem abaixo - caso não manje de estatística, não se preocupe, esse é um conceito simples e não precisa dessa referência pra entender).

    Além das Características do Risco, há ainda o que o professor chamou de Classificações do Risco, mas que não são as mesmas classificações que ele deu quando falou de Gerenciamento do Risco. Digamos que são outros critérios de classificação. Nesse sentido, os Riscos se classificam por tipo e por abrangência.

    Classificação por tipo:
    • Risco Puro: Quando o resultado final, após certo tempo, resulta ou em Perda ou em Empate (não-perda). Exemplo: Risco de roubarem meu carro - ou eu perco (roubam meu carro), ou em empato (não roubam meu carro).
    • Risco Especulativo: Quando o resultado final, após certo tempo, resulta em Perda, Empate ou Ganho. Exemplo: Jogar Poker, apostar na Mega-Sena. O caso é que existe a chance de Ganhar.
    Classificação por abrangência:
    • Risco Privado: Quando o dano atinge um indivíduo (ou um grupo específico de indivíduos), não extrapolando a normalidade. Exemplo: incêndio de uma casa, ou de um prédio.
    • Risco Social/Estrutural: Quando o dano atinge uma coletividade (Catastrófico). Exemplo: Incêndio de um bairro inteiro, enchente, epidemia.
    Nessa classificação, fica bem evidente que o Risco segurável é apenas aquele que é Puro e Privado.

    ---
    Normalmente, quando se faz um seguro, o segurado fecha um contrato com apenas uma seguradora. Porém, essa seguradora pode estar dividindo o risco assumido. Esse processo se chama Pulverização do Risco.

    Paztejamos.

    terça-feira, 26 de maio de 2015

    Prêmio

    O Prêmio é, apesar do nome, aquilo que o segurado paga (!!!!!!) à seguradora para contratar o seguro. POR FAVOR NÃO CONFUNDA!

    O valor do prêmio é proporcional ao tamanho do risco e é a principal fonte de Receita da seguradora. Teoricamente, para que um seguro seja considerado "justo", o valor total dos prêmios recebidos tem que ser igual ao valor total de indenizações pagas, pois nesse caso ninguém sai ganhando e todos que sofreram danos estão segurados. Esse prêmio justo, teórico, onde ninguém sai "no lucro", é chamado Prêmio de Risco (e é calculado conforme a fórmula E=p.Q, que em outra ocasião eu explico e linko aqui). Lógico que no mundo real a seguradora não faz nenhuma caridade e seus acionistas querem lucro, porém é interessante ter esse conceito em mente, porque é a partir dele que se inicia a cálculo do prêmio que vai efetivamente ser cobrado.

    Quando se calcula um valor para o prêmio final (que é chamado de Prêmio Líquido ou Prêmio Comercial), o que se faz é pegar o Prêmio de Risco e "empilhar" várias margens em cima dele, conforme a margem de lucro que se quer ter e os gastos operacionais que a seguradora tem. Vou dar os nomes dos "tipos de prêmios" e explicar o que tem em cada um:


    • Prêmio de Risco: é o valor direto, sem margem nenhuma, onde a receita iguala a despesa.
    • Prêmio Puro: é o Prêmio de Risco, acrescido da Margem de Confiança, que é uma margem percentual que eu boto em cima do prêmio pra garantir que, caso a despesa seja maior do que eu previ, eu consiga pagar mesmo assim.
    • Prêmio NET: é o Prêmio Puro com todos os carregamentos inclusos, EXCETO A CORRETAGEM.
    • Prêmio Líquido ou Comercial (π): é o Prêmio NET mais a corretagem, ou seja, é o Prêmio Puro acrescido de TODOS os carregamentos.
    • Prêmio Bruto: é o Prêmio Líquido acrescido de Custo de Apólice, Custo de Fracionamento e IOF.
    Eu vou explicar melhor algumas coisas em outros posts, mas eu acho válido mencionar alguns detalhes:

    - Não expliquei ainda o que é Carregamento, mas, em síntese, são valores que eu coloco a mais em cima do prêmio pra poder pagar minhas despesas operacionais, marketing, corretagem, etc.
    - O Custo de Apólice hoje está proibido pela SUSEP (órgão regulador dos seguros). Isso era cobrado porque antigamente, quando alguém contratava um seguro, a seguradora confeccionava um enorme cartaz, super bonito e com letras desenhadas, pro segurado pendurar na parede e mostrar como "Olha, eu tenho seguro". Só que depois de um tempo, se perdeu esse 'glamour' de fazer seguro, e a apólice virou só uma folha de papel A4 com informações escritas. Então não fazia mais sentido cobrar "custo de apólice". Mesmo assim, as segurados continuavam cobrando, por 'malandragem'. Daí a SUSEP proibiu definitivamente esse tipo de cobrança.
    - O IOF, na maioria dos seguros de Danos, é 7,38%. Note que eu estou postando em 26.05.2015 e no futuro pode mudar.

    Paztejamos

    Contrato de Seguro

    O Contrato de Seguro é uma formalização por escrito da operação de seguro, e é firmada como um acordo (ou uma aposta) entre o segurado e a seguradora, por meio de três documentos, que juntos formam o contrato efetivamente.

    Inicialmente, pensando em contratos individuais, o segurado (que, enquanto não está segurado, é conhecido no Brasil apenas "Proponente") emite uma Proposta [1º documento], que é um pedido de seguro à seguradora. Depois, a seguradora analisa a proposta e, caso aceite o seguro, emite uma Apólice [2º documento]. Porém, a Apólice só é efetivamente emitida (ou, dizendo de outra forma, o seguro só é efetivamente aceito) se o o proponente tiver pago o DOC de cobrança [3º documento], que é o documento usado pra cobrar o prêmio do seguro.


    É importante mencionar que esse contrato é SEMPRE intermediado, pelo menos oficialmente. Esse Intermediador Obrigatório é o que chamados Corretor. O Corretor é o representante do segurado, e inclusive pode assinar a proposta por ele.

    ~~Existe ainda a hipótese de contratos coletivos, mas essa eu vou ficar devendo aqui porque não saquei direito como funciona. No futuro eu me informo e completo essa parte.~~

    Paztejamos

    sexta-feira, 22 de maio de 2015

    A liga de Mutantes

    "Liga dos Mutantes foi uma série animada baseada nos videogames Mutant League Futebol e Mutant League Hockey que foi ao ar a partir de 02 de julho de 1994 a 24 de Fevereiro de 1996. O show durou duas temporadas. Durante um jogo de futebol americano, acontece um terremoto que revela lixo tóxico que transformam parte da plateia e jogadores em mutantes. Após isso é criada a liga de sobre-humanos que contava com as seguintes equipes: (Slayers, males, Derangers ou ooze) que disputavam várias modalidades esportivas. O principal do desenho se chamava Bonis e aparecia com um óculos escuros e tinha o sonho de reencontrar o Pai que se perdeu logo após o acidente. Sempre após alguns jogos da Liga, alguns atletas mutantes se recuperavam em umas camâras com um líquido verde, já que mutilação ocorria com frequência nos jogos.Passava no sábado animado no SBT."

    Copiei esse texto do link: https://www.youtube.com/watch?v=I8lOPaQDc5o onde tem a abertura do desenho (em má qualidade de imagem, ok), e mais um pedaço do desenho em inglês. Não é o desenho que eu queria, mas ainda assim era um bom desenho que eu gostava muito e nunca lembrava o nome. Agora eu não me estresso mais se esquecer :)

    A abertura em boa qualidade dá pra ver aqui:



    Paztejamos

    As aventuras de T-REX

    As aventuras de T-REX (ou the adventures of T-REX) era um desenho na minha opinião bem parecido com tartarugas ninjas, só que num universo onde todos eram dinossauros (e ninguém tem nada de mutante). É tipo um Power Rangers de dinossauros.

    vou deixar aqui um link de um post em inglês onde tem um episódio completo em inglês (essa frase é o link).

    E vou postar aqui um vídeo que tem a abertura e mais um trecho em português, pra se ter uma ideia de como era dublado.



    Enfim. Paztejamos

    Dinossauros Radicais

    Dinossauros Radicais (Extreme Dinossaurs). Também está no "super heróis em geral". E não é o que estou procurando.

    Paztejamos

    Tubarões Urbanos

    Tubarões Urbanos (Street Sharks em inglês, mas pelo que eu achei na internet, também é conhecido por Tubarões Radicais) é um desenho em que quatro tubarões eram os "heróis", um sendo Tubarão Martelo, o que é o máximo.

    Bom, alguém já compilou o que é preciso saber sobre esse desenho AQUI e eu não vou falar grandes coisas sobre o desenho. Simplesmente não é o que eu estava procurando.

    Paztejamos

    Desenhos Antigos

    Bom, eu ia postar no facebook, mas achei que no diálogo em que eu comecei essa busca* ia floodar uns amigos, e postar no meu perfil ia ser estranho porque eu simplesmente ia sair dizendo coisas aleatoriamente - o que as pessoas iam achar esquisito.

    *comecei a buscar uns desenhos antigos na esperança de encontrar um em específico. Estou procurando por um desenho em que existiam tipo "monstros" (os 'superheróis da história) que eram formados de "coisas". O único exemplo de que eu me lembro era de um monstro que era formado de argolas. Ao que eu me lembro, tinha um 'item mágico' que dava vida a esses monstros a partir de coisas cotidianas, e esse surgiu de umas argolas. ERA UM DESENHO! E era um desenho ao mesmo estilo de Tartarugas Ninjas ou "The adventures of T-REX" (cujo nome eu não lembro em português).

    Como eu tava 'cavocando' na internet e não tava nada organizado, resolvi 'compilar' a coisa aqui por hora. Se alguém me ajudar, fico faceiro. Se não, EU VOU ACHAR MESMO ASSIM! :P

    -----
    EU NÃO ESTOU LOUCO. Achei algumas pessoas que lembram da mesma coisa que eu pela internet:

    https://www.facebook.com/desenhosantigosdjpaulo/posts/758482927538834

    https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20100806205747AAQ9IZv

    http://forum.outerspace.terra.com.br/index.php?threads/do-fundo-do-ba%C3%9A-348-desenhos-animados-de-1950-a-2009-com-figuras-e-v%C3%ADdeos.268654/page-3

    Nesse último link:"Tinha um que passou na globo que era de um muleque que misturava um monte de merda em uma caixa e os caras viravam herois. Eles tinham que dormir virados para baixo. Lembram ?"

    ----
    ACHEEEEEEEEEEEEI! Um cara no fórum acima postou um link que falava do desenho perguntando se o pessoal lembrava. O nome é Os Monstruosos (ou Creepy Crawlers, em inglês) e um cara tinha feito uma descrição enorme e bem detalhada do desenho - só clicar no nome do desenho que vai pra lá :)

    Então fica aqui uma foto do desenho.


    * A liga de Mutantes


    * As aventuras de T-REX

    *Dinossauros Radicais

    *Tubarões Urbanos




    Enfim. Paztejamos.

    terça-feira, 19 de maio de 2015

    Características do Contrato de Seguro

    Eu inicialmente fiquei meio na dúvida se essas eram características do seguro ou do contrato de seguro. Mas cheguei a conclusão de que o professor está certo, e essas características são mesmo do contrato.

    Então, o contrato de seguro tem 5 características, que eu chamo de BABAS.


    • a) Bilateral: envolve dois lados, duas partes - e por favor, SÓ DUAS PARTES (por mais que haja um corretor, ou por mais que existam vários segurados, a relação é Bilateral), que são 1) o Segurado e 2) o Segurador.
    • b) Aleatório: "as condições de risco DEVEM independer das partes". Se depender das partes, não é aleatório, é determinado por uma das partes (dã). A moral é que nem o segurado nem o segurador querem que o risco ocorra, mas, caso ocorrer, não deve ser por culpa de nenhum dos dois.
    • c) Boa Fé: As informações prestadas pelo segurado são tidas como verdadeiras - a princípio, A ideia é que o segurado não pode ser um cara sacana que, por exemplo, faz o seguro do seu pai velhinho com câncer só pra ganhar uma bolada quando o velho morrer.
    • d) Adesão: No seguro, o segurado não discute as condições do contrato, já que a Seguradora elabora e aprova o produto ANTES. O seguro é de adesão porque o máximo que o segurado pode fazer é ADERIR. Ele não pode discutir e negociar as cláusulas do contrato.
    • e) Solene: O seguro é solene porque é formal, TEM QUE TER um contrato escrito, mesmo que seja depois do sinistro (ou a posteriori - não me peçam exemplos disso, o professor mencionou mas eu não faço ideia de como funciona um contrato a posteriori).

    Enfim. Fica evidente daqui o porque de eu chamar de BABAS. É a inicial de cada um, e foi o meu "artifício mnemônico" pra prova :P

    Paztejamos

    Gerenciamento de Risco

    "Gerenciamento de Risco é o processo de apuração e tratamento que as empresas adotam para minimizar os danos que as possam advir." Eu diria que as pessoas também fazem esse gerenciamento, então vou mencioná-las também.

    A ideia é que as pessoas/empresas tem uma série de riscos (por exemplo, sei lá, de uma máquina estragar, de um funcionário se machucar, de uma explosão acontecer, qualquer coisa), e qualquer pessoa/empresa racional olha pra essas possibilidades e tenta lidar da melhor forma com isso.

    Como eu disse, qualquer pessoa/empresa "racional" tenta lidar com essas possibilidades. O caso é que nem todo mundo é tão racional, então vou começar mencionando algo que o professor deixou pro fim da aula, que é o fato de que existe o "Gerenciamento de Risco não planejado", isto é, quando a pessoa/empresa deixa pra "apagar incêndio", ou, como o professor mencionou, usa da "teoria da Noé: noé comigo".

    Passada essa menção tosca, sigamos pro Gerenciamento de Risco planejado, que é aquele que se espera que as pessoas razoáveis pratiquem. Ele se segmenta em 3 partes:

    1) Primeira parte é a Identificação dos Riscos. Para isso, suponha a seguinte imagem, que separa os riscos pela frequência em que ocorrem e o dano que causam.

    desculpem a frequência sem acento. Fiquei com preguiça de mexer na imagem de novo
    A imagem se divide em 4 quadrantes, e vou começar mencionando de cima pra baixo e da esquerda pra direita.

    * no primeiro quadrante, a frequência em que ocorre o risco é alta, porém o dano dele é baixo. Nesse quadrante não tem muito o que fazer. Imagine que seja, por exemplo, numa empresa em que ocorre a perda excessiva de canetas, por furto dos próprios funcionários. Ocorre bastante, e é meio difícil de controlar né. Mas o dano é baixo e talvez nem valha a pena tentar "mitigar" (reduzir) o risco que existe. Então ok.

    * no segundo quadrante, (que eu convencionei que é o do canto esquerdo abaixo), a frequência é baixa e o dano é baixo também. Imagina que seja, por exemplo, o risco de quebrar o espelho retrovisor do próprio carro. Sejamos francos, a hipótese de isso acontecer é relativamente remota, e ninguém faz seguro só pra isso, inclusive porque a seguradora não aceitaria, já que o custo de segurar uma parte tão insignificante não daria lucro. Nesse caso, é razoável aceitar que esse dano possa acontecer, "e quando acontecer a gente vê o que faz".

    * no terceiro quadrante, se o dano é alto e a frequência é alta, fazer um seguro pra isso se torna inviável. Nesse caso, é melhor parar de mexer nesse vespeiro, a não ser que tu tenha bolas de aço. É como, digamos, agiotagem: a frequência com que não se recebe o dinheiro de volta é altíssima, e o dano com isso é tão alto quanto o dinheiro que foi emprestado.

    * no último quadrante, finalmente, temos o campo do seguro, que é quando o dano até pode ser alto, mas a frequência é baixa, então vale a pena pra seguradora ganhar uma grana apostando na chance de que esse dano não vai acontecer.

    2) Mensuração do Risco. O professor falou alguma coisa não muito satisfatória a respeito desse tópico. Na minha cabeça, até sei o que significa 'mensuração'. Mas como se faz isso ficou faltando. Enfim.

    3) Tratamento. Então, depois de identificar os riscos e colocar na ponta do lápis quanto eles custariam (que imagino que seja a tal mensuração), vem o tratamento, que é a decisão de "o que fazer pra se livrar do risco (mas só daquele que vale a pena se livrar).

    3.1) Eliminação Total do Risco
    É autoexplicativo: tu podes escolher se livrar totalmente do evento de risco. Então, digamos, suponha uma indústria química que tem seus próprios funcionários de limpeza. Imagina que ela sempre tem acidentes sérios, fica com funcionários encostados, outros com sequelas, e paga altas indenizações. Ela pode simplesmente terceirizar esse setor e contratar outra empresa que se vire com isso. Assim, quem assume o risco pelos acidentes é a outra empresa.

    3.2) Eliminação Parcial do Risco
    Também é auto-explicativo. Nesse caso tu não se livra do risco, mas, "cuida mais pra que ele não aconteça tão seguido". Essa eliminação parcial se divide em duas hipóteses: 1) Prevenção - como no caso de sistemas de alarme; e 2) Manutenção - que pode ser periódica, pra evitar que, por exemplo, na indústria química mencionada no exemplo anterior, uma válvula se desgaste e libere gás tóxico ou ácido nos funcionários.

    3.3) Tratamento Financeiro:
    O professor mencionou três hipóteses de tratamentos financeiros. a) Guardar um valor, digamos mensal, pra caso o risco ocorra - que ele chamou de Caixa ou Fundo Total; b) jogar a perda média no fluxo mensal - que ele chamou de Orçamento; e 3) Transferir o Risco pra outro - que é a operação de Seguro.

    Enfim. Paztejamos

    Operação de Seguro

    O Seguro " é a operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa se faz prometer para si ou para outrem, no caso da efetivação do evento determinado, uma prestação, de uma terceira pessoa, assumindo um conjunto de riscos determinados, os compensa segundo as leis da estatística e o princípio do mutualismo." (segundo o professor, citação de J. Hernand.)

    Eu não gosto muito dessas definições canônicas, porque elas normalmente são mais confusas do que deveriam e a gente acaba precisando pensar um pouco mais do que o normal pra entendê-las. Em outras palavras, eu não acho elas "didáticas". Então, aqui vai a minha definição de seguro:

    "O seguro é uma operação em que alguém A paga um valor X para outro alguém B, e esse outro alguém B assume um risco Y e garante um valor Z caso ocorra o dano coberto W; isso conforme as leias da estatística e princípio do mutualismo.

    Destaquei de propósito esses itens em negrito, porque são as expressões chaves da definição.

    *O seguro é uma operação. Segundo o professor, é normal alguém fora da atuária (juristas, contadores, etc) dizer que o seguro é um contrato. Mas não. O seguro é uma operação. Só que essa operação é solenizada, formalizada pelo contrato. Por isso tem contrato. Mas o seguro vai além do contrato.

    *O Alguém A que paga pra não se incomodar com o risco é o Segurado. Esse cara é um Elemento chave do seguro, e não existe seguro sem segurado (obviamente).

    * O Valor X que é pago pelo Segurado chama-se Prêmio. O Prêmio é o valor PAGO pelo segurado pra obter o seguro. POR FAVOR, não confunda, o prêmio é algo que o segurado PAGA, não que ele ganha. Pra quem nunca teve contato com seguro, esse nome pode gerar alguma confusão, por isso estou enfatizando isso aqui.

    * O Alguém B que recebe/cobra o prêmio é o Segurador (ou a Seguradora - tanto faz, aparentemente, não existe consenso sobre o gênero dessa personagem :P). Ele é que assume o risco que o Segurado quer se livrar. Caso o evento de risco ocorra, é ele quem arca com o prejuízo.

    * O Risco Y é, de fato, o Risco. É aquele evento que tem probabilidade de acontecer. É um evento cuja ocorrência causa um Dano e, o objetivo do seguro é justamente restabelecer a situação em que o segurado se encontrava antes de tal dano.

    * Garantia e Cobertura são duas coisas que estão conectadas, então vou explicá-las juntas. A garantia Z é o valor que o alguém receberia caso ocorresse o dano coberto W. Por exemplo, num seguro residencial, as três hipótese básicas de cobertura do seguro são 1) incêndio, 2) queda de raio e 3) explosão de qualquer natureza. Sendo assim, se entrar um vândalo e destruir tudo que tem dentro de casa, esse dano não está coberto, logo, não há indenização, não há garantia nessa hipótese. Portanto, cobertura é o evento, o dano, o risco que pode acontecer [~~tenho dúvidas inclusive se o Risco Y não é o mesmo aqui que o dano coberto W~~]; a garantia é o valor devido caso aconteça o risco coberto, sendo assim é a Indenização paga.

    --
    Esses 5 elementos (segurado, seguradora, prêmio, risco, indenização) são o que se pode chamar de Elementos básicos do seguro, e toda operação de seguro tem esses 5 caras. Nas aulas, ficou parecendo que esses elementos são elementos do contrato, mas pensando melhor, acho que foi só porque didaticamente o professor estruturou o conteúdo dessa forma.

    Enfim, como eu mencionei sobre o contrato de seguro, aqui vai: na nossa legislação (e talvez em toda legislação do mundo - não cheguei a procurar), os seguros tem por característica serem solenizados na forma de contratos. Esses contratos NÃO SÃO a operação de seguros, só a formalizam. Então, por favor, tenham em mente essa distinção, porque a rigor ela é importante. O seguro é uma OPERAÇÃO, não um contrato.

    --
    Esquematicamente, então, temos:

    Se eu der continuidade a esses tópicos (e tenham certeza que vou), vou aumentando esse esquema conforme der.

    Paztejamos

    terça-feira, 21 de abril de 2015

    DIA 21 - Tentando entender conceitos de Atuária

    Desde sexta não paro em casa porque estão consertando meu banheiro e não tem a mínima condição de alguém estar num lugar onde não se possa usar um vaso ou um chuveiro. Por isso, estamos acampados na casa da minha mãe (o que é bom por certos vieses e ruim por outros). O maior problema disso é que eu tenho trabalhos de faculdade pra fazer e estive adiando até agora, quando se tornou inviável não fazer.

    Como são conceitos de atuária envolvidos, resolvi escrever aqui, até porque escrever me ajuda a elucidar as coisas e, bom, esse blog tem tudo a ver com isso.

    Então segue:

    1) A indenização do seguro segue a Regra Básica

    Indenização (I) = Prejuízo(Prej)

    na hora do sinistro, sendo limitado à Importância Segurada (IS) definida pelo segurado na hora da contratação do seguro.

    Se a IS for MENOR que o Valor em Risco(VR - que é o Dano), ou seja, se IS < VR, a IS é dada como insuficiente e ocorre um rateio. O cálculo do rateio é dado pela expressão





    {\textstyle I = \frac {IS}{VR} * Prej}, limitado ao valor da IS

    Vou sistematizar esse conhecimento ainda, mas é bom ter algumas coisas prontas já :)

    Paztejamos

    quinta-feira, 16 de abril de 2015

    Atuária

    Assim como eu comecei a escrever sobre atuária no meu blog mais conhecido (conhecimentosbancarios.blogspot.com), me proponho a escrever sobre o assunto aqui. A ideia é que o Conhecimentos Bancários era inicialmente um espaço pra explicar só esse assunto; depois virou um espaço sobre o conteúdo dos concursos de banco; depois um espaço onde eu posto coisas relacionadas à concursos e estudos; depois virou um espaço de MUITA COISA! Por isso eu PRECISO espremer o caldo daquele blog, trazer o que é importante e aleatório pra cá, e deixar aquele espaço àquilo que o nome diz, um blog sobre Conhecimentos Bancários.

    A outra vez que escrevi sobre Atuária, a história era outra. Estava recém no início do curso, sem nenhuma ideia do que vinha pela frente, e a única forma de estruturar o conhecimento que eu tinha era seguir o esquema das aulas que eu tinha. Agora a coisa é um pouco mais "translúcida" na minha mente, eu consigo delimitar melhor as fronteiras da atuária, e estruturar o conteúdo da forma que EU ACHAR mais conveniente.

    Enfim, esse post é o 'inaugural'. Conforme eu for postando, vou colocando os tópicos aqui.

    Paztejamos

    terça-feira, 14 de abril de 2015

    Dia 10 - My first try on english

    Hi there. It has been a good long time since my last try to write in English, but i'm in a training to pass the TOEFL exam (a proficience test to atest my english skills) and i NEED to learn how to do it. Furthermore, i need to listen, read and speak well, and it will be very clear in this text that i have still a long work to do before the test.

    I thought it is a good idea show this test to my brother who lives in Germany - even he lives there, he speaks much more in english that in any other language (it's because he is the University, and it's kind a cosmopolitan environment, with students from many places of the world) - so he can take a look in my words and let me know what i need to improve. I can't think any other way to improve my writing skill, so, that the way.

    For "listening", i'm following an youtube channel called DudeLikeHella, from a guy who used to live in California (and makes lots of videos there, and seems to be very popular, with even a movie "company" [company doesn't seems to be the word; it makes the thing seems very huge; it's more like a producer, or a 'maker'. I don't know]) but decided to live in another place which he doesn't know until to move. In the first videos of the serie, he even ask the viewers to suggest where he must to live. He ended up deciding to go to Alaska, and to me it's makes the channel very interesting, 'cause Alaska is a little like Canadá, with snow and cold, and very very small population (what makes the place enormous); ah, and with wolves, and mooses and guns, i can not forget to mention. I'm watching this channel because it's a legitimate American, speaking in the American way, and without subtitles, what forces me to hear and listen each word he is taking to say whatever he wants to say.

    I'm not taking any effort to try to develop my "speaking" skills, 'cause my teacher (Máris) said the TOEFL test i need to do (that which UFRGS offer to be make [FOR FREE!!]) doesn't have any speaking questions. I'm still thinking about it, 'cause my teacher (the same teacher) said that each University has his own requirements, and maybe the kind of TOEFL UFRGS offers me could not be accepted (what makes me to think i need to save some money for this, maybe). Anyway, it's just a little far to think about that now, and my first preocation is to learn the others, 'cause i know that i will just speak well if i can listen and writing well.

    At last, my reading skills are ok. I think i can beat the exam without practice how to read, 'cause i already read a lot of english texts on internet. So, it will not be my focus.

    Ok. That's a lot of words, and i don't have so much more to write. I'm already admired with so many trash i can put together just for the need to write something. I'm going to eat something now.

    Paztejamos.

    domingo, 12 de abril de 2015

    Dia 8 - A espiral da tormenta

    - Só consigo produzir se todas as condições são favoráveis;
    - Raramente as condições são favoráveis;
    - Raramente consigo produzir.

    Estive lendo sobre procrastinação no Wait But Why? - na real, na tradução oficialmente autorizada pra português no Ano Zero - e, bá, me identifico perfeitamente.

    Não quero fazer longos devaneios, e esse espaço nem é sobre isso. Mas analisando as minhas atividades dentro dos quesitos "importante" e "urgente" (conforme o post do link) cheguei a conclusão que 1) comer bem é importante e urgente; 2) ser ativo fisicamente é importante, mas não urgente. Além disso, duas coisas são extraordinariamente mais importantes que atividade física, a saber, 1) aprender inglês; e 2) tirar notas boas na faculdade.

    Dito isso, acho que o equilíbrio da minha vida no momento se fundamenta no fato de que preciso comer melhor, mas não preciso necessariamente praticar atividades físicas TODOS OS DIAS. Essa semana, me limitarei a dois dias na semana. Já estava pensando antes, e talvez seja uma boa ideia começar alguma arte marcial em vez de musculação (dado que musculação é algo que 'não ativa todo o corpo de uma só vez', o que eu estava realmente procurando). A alimentação continua normal (digo, light, saudável, etc), porque preciso ensinar a meu corpo que hamburgueres, refrigerantes, xises, pizzas, fast foods, bolachas recheadas e etc, são coisas que se come DE VEZ EM QUANDO, tipo no máximo uma vez por semana e olhe lá, e não toda vez que se está com preguiça de preparar algo pra comer. E também porque meu corpo não tolera mais a acidez gástrica que as porcarias provocam.

    Voltando à "produção", estou escrevendo aqui justamente porque não consigo produzir. Ontem passei o dia com o propósito de fazer uma lista de exercícios. Não consegui. Hoje meu caderno está aqui do meu lado há pelo menos duas horas, e eu ainda não consegui abri-lo. Facebook, blogs, portais de notícias, tudo que está no Q4, menos lista de exercícios. Não consigo produzir. Preciso estudar e não consigo. É a TV, é um filme, um texto, hora de comer, uma conversa com a Priscilla, uma discussão com a Priscilla, hora de sair... mas nunca consigo estudar.

    A não ser que eu arranje disciplina, só me vejo estudando mesmo quando chegar perto da prova. Daí sinto que será tarde demais. Preciso de um ambiente hermético pra conseguir me dedicar a algo. Tem muito ruído à minha volta. Mas esse ambiente não existe.

    Enfim. Só um registro.

    Paztejamos

    sexta-feira, 10 de abril de 2015

    Dia 6 - Equilíbrio e Liberdade

    Ok. Sobrevivi à primeira semana. Levei meio "na maciota" como diria minha vó, mas não foi tão ruim a tal da dieta. Semana que vem quero 'apertar o cerco' e diminuir as gulodices.

    Hoje saímos com o cunhado (irmão da Priscilla) e rolou uma cerveja e uns petiscos de noite. Como passo mal se comer muito, manerei. Isso na verdade é o proposto: saber a medida certa, ter equilíbrio, estar em harmonia com o mundo.

    Não fui na academia porque estava sem saco; comi direitinho ao longo do dia. Nada de mais.

    ----------//----------

    Se equilíbrio (no sentido de harmonia) é a palavra de ordem de umas semanas pra cá na minha vida, isso tem um motivo. Esse blog começou por causa disso. Estive em 'crise existencial' nos últimos tempos porque justamente preciso decidir os rumos da minha vida. Tenho que pensar se quero morar em Guaíba, em Porto Alegre ou no Canadá; se quero ganhar muito dinheiro ou quero simplesmente me manter no meu emprego; se quero passar muito mais tempo no desenvolvimento da carreira ou se quero estacionar e me preocupar com trabalhos sociais. E eu nunca ia decidir essas coisas corretamente vivendo por impulso e simplesmente dado aos prazeres, sem conexão nenhuma com o mundo ao meu redor, sem temperança, sem auto-controle. Precisava descobrir o que era importante pra mim, estou em busca de auto-conhecimento.

    Equilíbrio, mas não só. Hoje estive pensando. Liberdade é uma palavra complementar. Mas, assim como o sentido que dei pra equilíbrio, me refiro à liberdade de uma forma mais metafísica, mais espiritual. Quando digo que quero ser livre, me refiro à ideia de que não devo ser preso a nada, não devo estar condicionado a nenhum vício, não quero ser dependente de nenhuma substância, nenhuma convenção, nenhuma pessoa. Quero poder ir e vir, sair ou ficar, como me convier. E isso é uma coisa dificílima de conquistar. Mas sempre há espaço. A busca já começou.

    Mas por hoje fico por aqui. Não são horas pra devaneios. Os sonhos que eu deveria relatar são outros. Já passou da hora de dormir. São quase 2h e eu vou pra cama.

    Paztejamos

    quinta-feira, 9 de abril de 2015

    Dia 5 - Equilíbrio; ontem e hoje

    Um pizza e uma pepsi. Era a coisa certa a ser feita. Era o que eu precisava. Era o que eu desejava.

    Ontem foi um dia horrível do começo ao fim. Creio eu que ainda esteja um pouco instável: não fui ao médico (na real, meio que duvido da capacidade da maioria dos psicólogos, dado alguns que eu conheço de formação duvidosa), mas há alguns meses me diagnostiquei uma depressão. E mesmo que a tranquilidade dos novos dias tenha me amenizado a inquietação, sinto que ainda estou propenso a recaídas.

    Dado que ontem foi 5º dia útil - com todos os seus pesares -, que saí tarde do trabalho, que a semana já vinha sendo ruim (dia antes já tinha tido um estresse no trabalho), e que ainda tinha aula, nada poderia ser mais adequado que uma pizza e uma pepsi. E não só isso, tinha que ter uma lata de cerveja pra finalizar o dia.

    Ah, como era necessário! :X
    O fato é que ontem um desequilíbrio compensou o outro e, como uma corda em um instrumento musical, para cada tensão numa direção havia como consequência uma outra no sentido contrário; e assim o dia terminou agitado, e terminei descontando na priscilla por tudo de ruim que me afligia. Brigamos e, bom, por isso não tive saco pra postar ontem.
    ----------//-----------

    Mas hoje, hoje era um novo dia e eu não queria ele estragado como se fosse a continuação de ontem. Daí, como não estava com saco de me preparar um café da manhã, em vez de comer um pastel de queijo com Coca-Cola (como eu faria em outros tempos), comi mamão com aveia, um iogurte e uma barra de cereais, o que me prova que é possível variar o café da manhã e permanecer saudável.

    Ao meio dia, como não tinha arrumado comida no dia [infernal] anterior, almocei num restaurante da beira [de Guaíba] e fiz uma coisa que nunca tinha tentado fazer: botei coisas verdes aleatórias (aparentemente saudáveis) no meu prato e tentei comê-las separadamente. Botei por exemplo, o pepino em conserva só ele na boca e respirei pelo nariz, tentando sentir o gosto. Comi também coisas de que não sei o nome, como uma planta amarga com galhos cumpridos. Foi uma "explosão de sabor". Foi extremamente desagradável. Mas acho que não gostei porque não estou acostumado. Não gostei porque não fui "preparado" a comer essas coisas, e os sabores e cheiros são estranhos. São desagradáveis agora, mas, assim como a o vinho e o café, ou o chocolate, cujo sabor sem açúcar a princípio é ruim no início, creio que com o tempo eu possa passar a apreciar.

    Embaixo do bife (e do pastel de queijo/presunto) juro que tinham coisas exóticas. O ovo de cordorna tá ali de cantinho...

    No fim de tarde, olhei minha dieta de novo (aquela que eu e a Priscilla concebemos uns dias atrás) e percebi que algumas das coisas que eu me propus a comer simplesmente ainda não tinham sido compradas. [~~lembrar de postar a proposta de dieta]. Comprei Castanha do Pará inteira e Amêndoas (sem sal). Segundo a guria da Banca 12, a Castanha do Pará inteira tem propriedades que a quebrada perde. Ela me disse lá o que era, mas ... não me lembro mais. Quando eu voltar lá pergunto de novo, daí escrevo aqui. De repente é útil saber, mesmo que seja mentira (daí já sei que é mentira :P).

    Por fim, à noite, depois da aula, fui na academia. Primeiro treino de pernas. Estou com dificuldades de andar até agora. Aparentemente, pernas são muito mais dolorosas que braços (ou qualquer outra coisa!). Dei umas roubadas no treino, mas como foi meu primeiro dia, ok, me dei um desconto. Da outra vez - lá por novembro - já tinha descoberto que tinha dificuldades com postura; dessa vez só confirmei que ainda tenho. Não consegui por exemplo inclinar no tal de Stiff (acho que é assim que escreve). Não sei "empinar a bunda" [ainda bem né :P].
    ----------//----------

    Enfim. São muitas informações hoje. Ficar um dia sem postar é uma merda. Ainda tenho que estudar inglês e, bom, hoje não deu. Já é meia noite e meia e ainda não fui dormir também. Queria escrever mais o dobro, mas são coisas [como sobre "equilíbrio", "beleza", "filosofia" e "planejamento"] que não tem horário e podem ficar pra outro dia.

    Bom,
    Paztejamos

    terça-feira, 7 de abril de 2015

    Dia 3 - O corpo acorda

    Sinto dores. Parece que bati com minhas costas. Parece que carreguei peso. Parece que meus braços estão inchados. E estão. Fazia uns bons tempos desde a última vez que me senti assim. E é bom estar 'desperto'. Tenho a impressão de que estive dormento (ou dormindo) e agora finalmente acordei, todo dolorido do colchão duro e de ficar na mesma posição a noite toda.

    A dieta está em ordem. Tirando alguns deslizes que estão na tolerância de quem está começando (não conseguir seguir os horários e comer uma ou outra 'guloseima'), tenho me mantido bem. Por causa de resquícios do drama de ontem no trabalho, comi meio correndo hoje, porque cheguei em cima da hora. Comi mamão com aveia e um iogurte. Me admira eu estar gostando de mamão.

    Um pouco do "resto" do que eu comi. Esse danio é gostoso, mas não exatamente "mata sua fome".

    Hoje eu iria na academia fazer aeróbico. Provavelmente ia tentar - TENTAR! - fazer o tal de HIT, que é aquele método em que se intercala períodos em que 1) tu faz MUUITO ESFORÇO (por exemplo, corre com todas as tuas forças) com períodos em que 2) tu pára* e fica em praticamente repouso - o que faz o coração disparar pela diferença de tensão entre os dois momentos.

    [*pára, com acento diferencial, porque sim, porque eu quis. Eu adoro esse acento e eu quis botar.]

    Eu disse *IA* tentar, porque infelizmente não deu pra ir, já que a gente estuda na UFRGS. Parece um non sequitur (argumento em que a conclusão não segue das premissas), mas o caso é que a UFRGS é uma bagunça e tem mais alunos do que caberiam em suas salas de aula, e, pra tentar resolver isso, aloca alunos em locais bizarros fora de seus campi. A Priscilla teve aula lãããã no Campus Saúde, e, como Porto Alegre é um lugar perigoso à noite, e ela não conhecia aquelas bandas, eu tive que ir buscá-la.

    Próximas terças ela já sabe como se virar, e eu vou tentar ir na academia - apesar de achar que vou me sentir muito desanimado indo sozinho.

    Amanhã treino pernas. Não faço ideia do que vou fazer e nem quanto vai doer, mas estou meio que ansioso. Tem alguns exercícios que me animam, como flexões, barras e abdominais. Me sinto orgulhoso quando consigo fazer bastante. Nas pernas eu ainda não sei algum em que eu me sinta assim, mas deve haver :) normalmente fazendo pernas eu me sinto é constrangido...
    ----------//----------

    Como Guaíba é linda. Parece cidade de praia. Eu já dizia isso antes, mas agora que eu vou em Guaíba como visitante eu sinto isso mais ainda. Tirei umas fotos do rio. Como o rio me faz refletir. Acho que é por causa dessa coisa de ele ser imenso. Me deixa meio sentimental, me faz pensar que eu sou pequeno. Eu que ando com conflitos existenciais, com a crise de tentar descobrir "quem eu sou?" e "o que eu quero deixar pra esse mundo?" e com decisões nas minhas mãos que eu sinto que afetarão toda a minha vida; eu que ando assim, quando vejo o rio, parece que me dá um certo alívio. É como se eu contemplasse Deus ou sei lá. É uma metáfora, talvez meio tosca, sei lá, mas é como se eu visse quão grande são as coisas se comparadas a mim, e que a minha decisão talvez nem importe tanto assim.

    Quem vê diz que eu fiz grandes recortes, mas é só o lugar de onde eu tirei a foto...

    Enfim. Está tarde, e eu ainda preciso levar o lixo pra rua.
    Escrevo mais amanhã.
    Paztejamos

    segunda-feira, 6 de abril de 2015

    Dia 2 - primeiros tropiques

    Decidi fazer essa função de ter uma vida saudável (o que eu chamei nos marcadores de "projeto saúde" - SUPER original) meio de repente, de susto, pelo menos pros outros. Já vinha pensando nisso há algum tempo (e estou numa ampla reflexão existencial nos últimos tempos) e como passei muito mal um dia desses, resolvi que era hora de mudar, de "assumir as rédeas" dessa matéria da minha vida também.

    Por causa disso, faltavam (e ainda faltam) algumas coisas pra minha "dieta". Ao longo da semana a gente vai comprando e eu vou entrando aos poucos na linha, mas hoje mesmo foi um dia em que não consegui seguir estritamente o que planejei.

    Além disso, tive uns problemas sérios no trabalho e acabei descontando no lanche que a "firma" [xD] dá. Na real não é beeeeem um 'desconto' porque comi um sanduíche com alface, tomate, pão preto, queijo, presunto, margarina e "mumu" (pros menos íntimos, doce de leite).

    Me diz quem é que aguenta com um cafézão assim?

    Sinceramente, é bem difícil resistir a um "café" exposto pra ti todos os dias bem no horário em que tu sente vontade de comer. E hoje ainda, em que eu tava louco de vontade de esmurrar uma parede, nada com uma coisa gostosa pra encher o bucho :P

    Além do lanche da tarde [ou ~café~], um outro sabotador da minha vida saudável é o literalmente falando café. O caso é que lá na firma, a menina que passa o café adiciona açúcar antes de botar na jarra, então se eu quiser tomar um pretinho, tomo com açúcar compulsoriamente, o que é uma bosta. Como eu não vou parar de tomar café - e não vou MESMO! -, vou ter que assumir que o açúcar no meu café é um 'resíduo' que eu aceito que atrapalhe a minha dieta, e que eu vou ter que compensar de alguma forma.
    ----------//----------

    Outra coisa é que, como tive problemas no trabalho, cheguei em casa mais tarde e não fui na aula. Como a Priscilla tá meio doentinha, também não foi, coincidência que o ocasionou a antecipação do meu "primeiro dia de academia". Treinei braços e tal, e como eu to parado há muuuuuuuuuito tempo (na real, 4 meses - mas nunca fiz grandes coisas de exercícios), to preparado pra estar bizarramente dolorido amanhã - aliás, já estou querendo começar a sentir algumas dores.

    Enfim, me vou.
    Paztejamos

    domingo, 5 de abril de 2015

    Dia 1 - Alguns detalhes

    Bom, primeiro dia. Ok. Disposição 100%. Hoje só alimentação. Nada de exercícios ainda. Preciso ver como vai ser meu "treino" (eu sei que é a palavra certa, mas não gosto dessa palavra; parece muito mais pretensioso do que eu normalmente sou) durante a semana, mas hoje vou ficar só na alimentação regulada.

    Meu almoço foi, e vai ser de agora em diante, arroz integral, frango e salada. A Priscilla mede as gramas de cada coisa no prato dela. Eu não vou fazer isso ainda, até porque não tenho nenhuma ideia das quantidades ideais que eu preciso comer. Quando eu for num nutricionista (pretendo fazer isso em breve) vou ter melhores critérios pra isso. Por hora, pretendo que minhas refeições sejam a cada 3 ou 4 horas e estejam visualmente saudáveis. Nada de batata-frita, lasanha, churrasco... Meu café da manhã mesmo [já era ultimamente e] continuará sendo omelete com banana.

    É MUITA SALADA! /o\

    Ainda não sei EXATAMENTE o que eu vou comer em cada horário, por isso preciso combinar com a Priscilla o que ela acha que vai ser bom. Me apoio nela porque, quando eu comecei lá em novembro, ela já tinha começado (e foi ela quem me estimulou a entrar nessa onda) e depois que eu parei ela continuou, então, digamos, ela já tem um bom período de envolvimento nisso e pode me dar umas boas dicas. Claro que ela não é uma profissional na área, mas, ok, vamos com calma, qualquer melhora já é uma melhora.

    Enfim. Amanhã é o primeiro dia de trabalho/estudos com essa dieta. E vai ser difícil resistir, porque lá na "firma" [dessa palavra eu gosto, é engraçado dizer assim] sempre tem um lanche bem gostoso (e as vezes gordo) detardezinha, antes de eu ir embora. Bom. Vamos lá. Vai dar tudo certo :)

    Paztejamos.

    sábado, 4 de abril de 2015

    DIA 0 - Carne-vale!

    Muito tenho postado conteúdos aleatórios blogs afora. De agora em diante, resolvi que o meu nome vai agregar todo o conteúdo que eu produzir. Por isso esse blog tem o meu nome e sobrenome, pra que ninguém me confunda.

    É de se esperar que, assim que eu produza algo novo, esse espaço seja usado pra trazê-lo à público. Além disso, alguns dos conteúdos que tenho por aí (como o material no blog "Conhecimentos Bancários") serão aos poucos removidos pra cá. Porém, tenho pouca pressa pra fazer isso.

    Por hora, esse blog vai ter por única razão de ser um espaço de postagem diário pra observação do meu progresso físico e de saúde ao longo de um novo projeto de alimentação regrada e exercícios físicos regulares. Não tenho a pretensão de que ninguém acompanhe meu desenvolvimento, mas se por acaso alguém o fizer, que seja bem vindo.
    ----------//----------

    DIA ZERO - Lá por novembro comecei um projeto de alimentação saudável e atividade física junto com a Priscilla. Fiquei um mês nisso e o efeito na minha saúde foi significativo. Como eu tinha alguns "objetivos profissionais" (digamos assim), acabei suspendendo o projeto "pra depois", porque precisei praticamente 'vender minha alma' ao trabalho. Eis que agora, final de março, eu finalmente alcancei meu objetivo, o que me dá a oportunidade de mais uma vez voltar à tentativa de uma vida menos destrutiva, menos regada à refrigerante e entupida com pizzas, hamburgers, alaminutas e xises. Se quiser checar, pode procurar no meu álbum de fotos dos instagram no facebook (ou no próprio instagram), eu relatei praticamente tudo lá.

    De lá pra cá, como relaxei completamente com a comida de novo, os efeitos foram nefastos no meu sistema digestivo (ou digestório). Minha esofagite nunca foi tão violenta quanto nos últimos dias, quando, em alguns dias de crise, não consegui nem dormir por causa da dor no peito. Eu estava adiando o dia em que ia voltar a me preocupar com minha saúde, mas como estive bem "atacado", tive que adiantar o momento de tomar "as medidas cabíveis" pra não sofrer mais com a acidez estomacal.

    Hoje, então, foi meu dia ZERO. Teria sido já meu dia 1, mas como a Priscilla estava REALMENTE PRECISANDO de gordura, fui com ela no Cavanhas e comemos cada um um Xis Bacon bem gordo, e, no meu caso, tomei uma saudosa Coca-Cola 600ml, que vai causar muitas saudades a partir de agora. Foi minha Festa da Carne, meu Carnaval, porque daqui em diante entro num período de 30 dias de "jejum", em que como só coisas moderadas em horários adequados (espero aguentar!).

    ó que saudosa lembrança!
    Como estou entrando nisso agora, e meu corpo está oficialmente sedentário, tirei uma foto pra usar como "controle" pra avaliar meu desenvolvimento ao longo do tempo. Quero postar essa foto mês a mês junto com outra do mês atual e acompanhar meu progresso nessa jornada que provavelmente será pro resto da vida. Eu sei que é meio pretensioso, mas quero que, ao longo desse ano, e, ao chegar em 2016, eu esteja completamente reeducado, e com um estilo de vida mais equilibrado, em que eu consiga passar dos 40 anos sem doenças debilitantes ou qualquer tipo de câncer.

    coisa mais linda; olha a marca da camiseta xD

    O maior propósito aqui é a saúde. A aparência vem, a princípio, em segundo plano. Não ligo tanto em ser bonito quanto eu ligo pra simplesmente ser. Existir por tempo suficiente pra pôr meus planos em prática é o primordial. Mas a aparência é uma ótima forma de avaliar a saúde, e estar "elegante" tem suas vantagens. Então é com ela que pretendo medir meus progressos.

    Bom, é isso. Dia 0 não tem nada de muito emocionante. A partir de amanhã é que a gente vai sentir a coisa apertar mesmo...

    Paztejamos